Investidores e acionistas

Governança corporativa e ética

Governança corporativa

Nossa governança corporativa se espelha no Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa, do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Atuamos conforme a Lei n.º 6.404/1976, sendo nossa estrutura de governança composta pela Assembleia Geral dos Acionistas, pelo Conselho de Administração e pela Diretoria Executiva.

Contamos com um órgão fiscalizador da atuação da alta administração, que é o Conselho Fiscal. O Comitê de Auditoria e Riscos Estatutário também assessora o Conselho de Administração das empresas Eletrobras em temas relacionados a práticas contábeis, riscos e controles internos, contenciosos jurídicos, conformidade, auditoria independente e processos e pendências junto a órgãos de controle (Controladoria-Geral da União e Tribunal de Contas da União). Há, ainda, a Auditoria Interna e a Ouvidoria Geral, vinculadas ao Conselho de Administração.

Também cumprimos as regras da Lei das Estatais (Lei 13.303/2016) com relação aos critérios para a escolha dos integrantes dos órgãos da alta administração.

Grupos de stakeholders e temas de interesse

A Eletrosul mantém diálogo permanente com suas partes interessadas e para cada uma delas promove comunicação diferenciada, visando fortalecer as relações, cada uma com suas especificidades. A Política de Comunicação e Engajamento com Públicos de Interesse das empresas Eletrobras norteia esse relacionamento. Todos stakeholders têm acesso ao site e às redes sociais da empresa. Também realizamos campanhas em jornais e TV frequentemente como forma de divulgação massificada.

Disponibilizamos, ainda, o Relatório de Administração e o Relatório Anual para que as partes interessadas possam acompanhar nosso desempenho, além do Canal de Ouvidoria.

Água

Nossas usinas hidrelétricas estão localizadas em diferentes rios brasileiros – Rio Ijuí, Rio Verde, Rio Caveiras e Rio Braço Norte –, nenhum deles em situação de estresse hídrico. Todas possuem licenciamento ambiental e outorga para captação de água. O uso nessas instalações é considerado não consuntivo, uma vez que a água é devolvida integralmente aos corpos hídricos com qualidade semelhante à da captação – em 2019, foram turbinados 10,33 bilhões de metros cúbicos.

A gestão da água é orientada pela Política Ambiental das empresas Eletrobras e pela Política de Recursos Hídricos, que tem como base a Lei 9.433/1997 para orientar a utilização racional do recurso. Os volumes utilizados em todas as operações, assim como a qualidade da água, são monitorados e disponibilizados para os órgãos competentes. Acompanhamos indicadores associados à qualidade e à disponibilidade e que nos mostram os perfis de captação do recurso em nossas atividades para, a partir das informações obtidas, estabelecer estratégias, planos e metas que promovam a melhoria do desempenho ambiental.

O Plano de Negócios e Gestão (2019-2023) possuía meta de gestão da água vinculada ao ODS 9 (Indústria, Inovação e Infraestrutura), de redução anual de 0,30% do consumo administrativo, acumulando a taxa de 1,5% até 2023.

Com relação aos efluentes, geramos somente os do tipo doméstico, que são encaminhados ao sistema de tratamento coletivo municipal. Em caso de cidades em que esse serviço não está disponível, é feito tratamento em tanque séptico e sumidouro, em sistema licenciado. Os efluentes tratados atendem à Resolução Conama nº 430/2011 e às leis ambientais estaduais.

Participamos, juntamente com órgãos ambientais como a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam – RS), a Polícia Ambiental e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, do Comitê de Bacia do Rio Ijuí, onde funciona a UHE Passo São João (RS). Desde 2005 integramos o Grupo de Trabalho de Recursos Hídricos e do Potencial Hidrelétrico das empresas Eletrobras (GTRH-EE).

Mudanças climáticas

Reforçando nosso compromisso com a abordagem do tema “Mudanças do Clima”, expresso em nossa Política Ambiental, e alinhados às boas práticas da sustentabilidade empresarial, acompanhamos o desenvolvimento da Política Nacional de Mudanças Climáticas e do Plano Nacional de Adaptação; aderimos ao “Posicionamento sobre Mecanismos de Precificação de Carbono”, promovido pela Iniciativa Empresarial em Clima; e participamos do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa das empresas Eletrobras, de forma ininterrupta, desde 2009.

Em sua 11ª edição, o inventário é produzido utilizando a metodologia do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês – 2006) e as diretrizes do Greenhouse Gas Protocol (do World Resources Institute, 2004). O documento final e seus dados são verificados por terceira parte independente. Os resultados estão disponíveis em nosso site.

Nosso inventário permite acompanhar a evolução histórica das emissões dos principais gases que contribuem para o efeito estufa: CO2, CH4, N2O, PFCs e HCFCs. Utiliza como limite organizacional as unidades nas quais a Eletrosul detém o controle operacional.

Como iniciativa de caráter experimental e voluntário, estimamos as emissões e remoções de GEE das atividades que provocam mudança no uso do solo, utilizando uma ferramenta que faz o balanço entre o carbono emitido pela supressão de vegetação e o carbono sequestrado pelo plantio de arvores.

A Eletrosul é signatária da Agenda 2030, com priorização de cinco Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, entre os quais os ODS 13 (Ação contra a Mudança Global do Clima) e 9 (Indústria, Inovação e Infraestrutura), que orientam metas ambientais específicas do PNG 2019-2023. As que estão alinhadas ao tema mudanças climáticas são:

  • redução do consumo de energia elétrica (0,2%);
  • redução do consumo de combustíveis fósseis da frota veicular terrestre (0,2%); e
  • emissões totais de GEE sobre a receita (0,070).

Também em 2019, a Eletrosul participou de um projeto pioneiro intitulado “Ampliação dos Serviços Climáticos para Investimentos em Infraestrutura” (CSI, na sigla em inglês), que teve como principal objetivo ampliar o fornecimento de serviços que fomentem a consideração das mudanças climáticas em infraestrutura e gestão de usuários, de forma a desenvolver medidas para melhor aplicação dos investimentos, diminuindo o risco desses eventos sobre os ativos.

A iniciativa compunha ação global envolvendo Brasil, Costa Rica, Vietnã e Países da Bacia do Nilo, com apoio técnico e financiamento da Deutsche Gesellschat für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) – empresa ligada ao governo alemão – em parceria com engenheiros do Canadá.

Perfil dos empregados e diversidade

A Eletrosul concluiu 2019 com 1.058 empregados, 6% a menos comparado ao ano anterior. Essa variação foi decorrente, principalmente, da adesão ao Plano de Demissão Consensual (PDC), pelo qual foram desligadas 57 pessoas. O plano foi implantado por todas as empresas Eletrobras, conforme orientação estratégica da holding, com o objetivo de adequar o quadro de pessoal, gerando eficiência nos processos, equilíbrio entre as equipes e um perfil sustentável para desenvolvimento do negócio e das pessoas nos próximos anos.

Cem por cento dos nossos empregados são abrangidos por acordos de negociação coletiva e possuem contrato por tempo indeterminado.

Desenvolvimento de carreira

O Plano de Carreira e Remuneração (PCR) das empresas Eletrobras foi criado em 2010 para unificar as diretrizes e políticas de cargos, carreira, remuneração e desempenho, alinhando as políticas e as práticas de gestão de pessoas aos direcionadores estratégicos empresariais para a melhoria da performance organizacional, com base em competências e foco e resultados.

O Sistema de Gestão de Desempenho (SGD), usado no gerenciamento de desempenho na empresa, é base para o PCR. A ferramenta possibilita a realização automatizada de planejamento, acompanhamento, avaliação (metas e competências), desenvolvimento e comparação do desempenho alcançado com o planejado. Nesse contexto, destacamos a interface de avaliação com o Plano de Educação Corporativa, Banco de Talentos e Oportunidades, Plano de Sucessão, Gestão do Conhecimento e distribuição de mérito.

A partir do SGD, é elaborado o Plano de Desenvolvimento Individual . Há, ainda, o Plano de Desenvolvimento de Equipe, que trata do planejamento elaborado pelos líderes de ações educacionais para suas equipes. Em 2019, 100% dos empregados da Eletrosul foram submetidos a avaliação de desempenho.